10 casos de VÍCIO EXTREMO em games

AVISO: Algumas das notícias dessa lista não são recomendadas para pessoas sensíveis.

Para uns uma perda de tempo, para outros uma profissão. Jogar videogame é uma forma de passar o tempo de forma saudável, isso é indiscutível.

Mas como tudo, é preciso usar de moderação, não superar certos limites e não perder a noção de que se trata de uma diversão, pois existem pessoas que por vezes acabam ultrapassando limites.

Xingamentos, gritos, socos na parede, talvez você já tenha chegado a esse ponto enquanto jogava, mas ainda são casos leves que podem acontecer com qualquer um que se empolgue um pouco a mais.

Também existem os mais viciados que faltam no trabalho ou na escola para jogar videogame. Não é uma conduta adequada, sobretudo para menores de idade, mas das notícias dessa lista, isso não chega nem perto de ser o pior.

Existem pessoas que são afetadas pelos games a níveis patológicos, cruzando o limite racional.

Deixar seu filho morrer para cuidar de seu personagem virtual, cometer suicídio depois de uma má partida em seu jogo favorito…o objetivo dessa lista não é ridicularizar ou polemizar essas situações, mas de refletir.

Até que ponto o vício pode desencadear comportamentos extremos como os mostrados nas páginas a seguir? Os games são responsáveis por alguma situação dessas ou estão sempre vinculadas com algo a mais?

E sobretudo, queremos pensar: Qual a linha que separa quem se diverte com muitas horas de jogatina de quem é realmente viciado e propenso a atitudes como essas?

Veja a lista e deixe sua resposta nos comentários! Avante ->

10. O jovem que faltou na escola para jogar…durante três semanas

Começamos com o caso menos grave da lista. Um jovem australiano de 16 anos que cria um elaborado plano para passar dias jogando:

Todo o dia o garoto colocava o uniforme da escola até que sua mãe saísse para o trabalho. Mas ao invés de ir para a escola, o jovem aproveitava a saída da mãe para passar o dia jogando.

Sua mãe chegava tarde, em um horário que ele já estaria em casa normalmente, então não haveria como descobrir.

Para a escola o jovem disse ter feito uma cirurgia, e estava de recuperação.

A farsa foi descoberta depois que a direção do colégio ligou para ter notícias do rapaz, e falou diretamente com a mãe.

9. Jogador morre de infarto após 50 horas jogando StarCraft

Todos nós já passamos algumas noites sem dormir jogando, ou porque era um jogo realmente bom, ou porque é sexta-feira e no sábado poderemos dormir o dia inteiro, ou porque perdemos a noção do tempo mesmo.

Quem se propõe a terminar 100% de um jogo sabe do que estou falando.

Mas aqui está um caso que levou isso a outro nível. Trata-se de um sul-coreano que passou 50 horas seguidas jogando StarCraft.

Como podem imaginar, isso não acabou muito bem. Devido ao desgaste e ao fato de não descansar entre as sessões do jogo, o homem sofreu um infarto que custou sua vida.

Na Ásia existem muitos casos parecidos, e coincidentemente existem muitos por lá que vivem tentando quebrar recordes do tipo: aguentar de 3 a 15 dias jogando sem parar, e ver quem aguenta mais.

8. Para provar que é um Mago poderoso, jovem queima colega vivo

Agora começamos com as notícias mais fortes. Um jovem de Pequim passou muito tempo jogando o popular jogo da Blizzard, World of WarCraft e, depois de várias partidas, não pensou outra coisa senão queimar seu companheiro de classe.

De onde veio a ideia? Aparentemente foi o próprio agressor que afirmou ter passado tanto tempo jogando que acabou acreditando ser um mago de fogo de verdade e poderia queimar pessoas como o personagem do jogo.

O jovem tinha 17 anos, e foi sentenciado a 8 anos de prisão e pagar cerca de 100 MIL dólares à família da vítima.

Em outros sistemas legislativos, como o dos Estados Unidos, é possível culpar de maneira legal uma empresa de jogos por comportamentos que eles podem causar, mas na China isso não é possível, e o castigo foi a pena máxima.

Pegar uma lata de gasolina e atiçar fogo em seu colega não é culpa da Blizzard, jovem.

7. Homem se mata para “se unir” aos heróis que havia criado em Word Of WarCraft

Parece que o título da Blizzard tem um karma com esse tipo de história, e dessa vez aconteceu que um Chinês de 30 anos chamado Xioyi deixou em 27 de dezembro de 2004, uma carta de suicídio para seus pais que dizia “que fazia isso para se unir aos campeões que havia criado no jogo”.

O homem pulou de uma janela do prédio depois de passar 36 horas jogando World WarCraft.

Depois disso os pais denunciaram os distribuidores do jogo na China, o que lhes rendeu 12.600 dólares.

Devido a repercussão do caso (o homem avisou seus companheiros de jogo sobre suas intenções e o caso se tornou viral), a imprensa do país passou bastante tempo falando mal dos jogos online.

Mas de novo, estamos diante de uma pessoa que obviamente já tinha uma série de problemas psicológicos, provavelmente desencadeados pelo desgaste de muito tempo de jogo.

Ninguém normal pensa em se matar depois de uma partida, e é um erro culpar os desenvolvedores por essa tragédia.

6. Assassina sua irmã de 7 anos imitando movimentos de Mortal Kombat

Um casal de 16 e 17 anos, respectivamente, foi acusado pela polícia norte-americana por assassinar a irmã de sete anos de idade, enquanto imitavam os movimentos que tinham visto em Mortal Kombat após uma partida.

O casal começou a bater na jovem, que acabou morrendo por golpes na cabeça.

A irmã da jovem e seu noivo estavam bêbados quando aconteceu, e confessaram à polícia local com todo o luxo de detalhes o que aconteceu: “Acertamos o estômago, demos um golpe de karatê nos braços e vários socos no peito”.

Esse é um dos fatos mais trágicos dessa lista, mas sem dúvida precisamos pensar no estado dos agressores (neste caso estavam bêbados) ao invés de simplesmente dizer que “foi influência do jogo”.

Obviamente a mídia preferiu a versão mais polêmica dos fatos.

5. Deixar sua filha morrer para passar mais tempo cuidando de sua filha virtual

Outro dos casos extremos da lista, em que pais sul-coreanos deixaram sua filha de três meses morrer, porque passavam mais tempo cuidando de sua filha virtual do que da verdadeira.

Os pais a alimentavam somente duas vezes ao dia, mais concretamente a cada doze horas, intervalo do tempo que passavam em um Ciber Café enquanto deixavam sua filha de verdade em casa sozinha.

Ambos, segundo a polícia, haviam perdido o emprego e se agarraram aos games como forma de fugir da realidade.

O caso foi divulgado 5 meses depois da morte da menina, após a autópsia revelar que o falecimento se deu por negligência dos pais e não por causas naturais.

O casal ficou obcecado em cuidar da sua filha virtual “Anima”, no jogo Prius Online, bem parecido com o conhecido Second Life.

4. O Homem que foi esfaqueado até a morte por ter vendido a espada virtual do assassino

10 casos de VÍCIO EXTREMO em games

Qiu Chengwei, cidadão chinês de 41 anos, esfaqueou outro homem, Zhu Caoyuan, repetidas vezes até acabar com sua vida.

O motivo? Qiu e um amigo haviam conseguido a espada do dragão, um objetivo muito cobiçado no jogo, e a deixaram com Zhu para que provasse.

Mas Zhu aproveitou a oportunidade para vende-la por um bom dinheiro. Como resposta, Qiu procurou as autoridades locais para denunciar o “roubo”, mas estas lhe disseram que o ato não constituía um ato castigável.

Zhu, depois de muitas ameaças prometeu devolver o dinheiro, mas Qiu acabou perdendo a paciência e o apunhalou enquanto este dormia.

3. Jovem de 13 anos estrangula uma mulher porque “precisava de dinheiro para jogar”

Thai é um jovem vietnamita que foi detido por estrangular uma mulher, e enterra-la atrás de sua casa, porque precisava de dinheiro para poder continuar jogando.

As autoridades nunca revelaram de que título se tratava, mas sim a quantidade que o jovem roubou da mulher: 6 dólares.

Sim. Matou uma mulher por seis dólares. Como você deve estar imaginando, Thai era jovem demais para cadeia, e foi enviado para um centro de “reeducação”, do tipo em que os jovens podem sair se mantiverem “boa conduta”.

Como se estrangular uma mulher por 6 dólares fosse algo que boa conduta pudesse resolver.

2. Jovem mata sua própria mãe por não o deixar jogar Halo 3

Daniel Petric estava de castigo sem poder jogar Halo 3. O motivo? Seus pais o proibiram de comprar o jogo, pois não consideraram adequado para seu filho, pois era violento.

Daniel não se importou com a proibição, comprou o jogo sem a permissão de seus pais, que em pouco tempo o pegaram jogando, tiraram o jogo do jovem e esconderam em um armário onde seu pai também guardava uma pistola 9mm.

O jovem foi procurar o jogo e encontrou também a arma. Foi em direção a seus pais e disparou em ambos na cabeça, matando sua mãe no ato.

Pouco depois se soube que o jovem tinha sofrido um acidente de Snowboarding que o fez ficar em casa por um ano inteiro, período no qual suas únicas atividades eram ver televisão e jogar videogame.

1. Jovem se suicida porque o traíram em EverQuest

EverQuest é um MMO muito popular da Sony, que já foi “acusado” em várias ocasiões por ser “muito viciante” (e qual jogo não é?).

O caso é que um jovem de 21 anos, Shawn Woolley, completamente viciado no jogo, começou a não querer falar mais com sua mãe, inclusive descuidar da higiene pessoal porque passava o dia jogando.

Quando sua mãe tentava falar com ele, o jovem se mostrava “triste”, e ela começou a desconfiar que algo aconteceu com ele no jogo.

No dia de ação de graças, Shawn se matou com um tiro na cabeça, em frente ao computador. A Sony emitiu um comunicado oficial afirmando que o jogo não era viciante e nem promovia o suicídio, mas a mãe do jovem acusou a companhia que o jogo era viciante por natureza, pedindo que a Sony deixasse um aviso claro na página do jogo.